Sugestão
Subscribe to the Subscribe
And/or subscribe to the Daily Meditation Newsletter (Many languages)

Meditação Diária com Krishnamurti


pixabay.com

Quebrar Hábitos


Vamos descobrir como podemos compreender todo o processo de formação do hábito bem como o processo de quebrar o hábito. Podemos tomar como exemplo o hábito de fumar, e vocês podem substituir este exemplo pelo vosso próprio hábito e fazer a experiência com o vosso próprio problema de forma directa à medida que eu vou fazendo a experiência com o hábito de fumar. Trata-se de um problema, torna-se um problema quando quero abandonar o hábito; enquanto eu me sentir bem com o hábito, não o encaro como um problema. O problema surge quando tenho de fazer algo a respeito de um determinado hábito, quando o hábito se torna perturbador. Fumar criou uma perturbação, por isso quero libertar-me desse hábito. Quero deixar de fumar; quero libertar-me disso, colocar esse hábito de lado, e assim a minha aproximação ao ato de fumar está envolta em resistência e condenação. Ou seja, eu não quero fumar, e portanto a minha atitude é a de suprimir esse hábito, de condená-lo ou de encontrar um substituto para ele — em vez de fumar, passo a mascar pastilhas elásticas. Agora, será que é possível olhar para o problema sem condenação, justificação ou supressão? Poderei encarar o meu hábito de fumar sem qualquer sentimento de rejeição? Tentem fazê-lo agora, enquanto estou a falar, e verão como é extraordinariamente difícil não rejeitar nem aceitar. Porque toda a nossa tradição, todo o nosso conjunto de experiências, nos impele a rejeitar ou a justificar em vez de nos estimular a nossa curiosidade acerca do fato. Em vez de ter uma atenção passiva, a mente está sempre a agir sobre o problema.

© 2016 Copyright by Krishnamurti Foundations


                         Diaspora      rss 

Exceto quando houver diferente indicação, o conteúdo deste site está licenciado sob a 'Creative Commons Attribution 4.0 International License'
Web Statistics