Sugestão
Subscribe to the Subscribe
And/or subscribe to the Daily Meditation Newsletter (Many languages)

Meditação Diária com Krishnamurti


pixabay.com

Quando Há Amor, Não Há Eu


A realidade, a verdade, não pode ser reconhecida. Para que a verdade surja, a crença, o conhecimento, a experiência, a virtude, a procura da virtude — que é diferente de ser-se virtuoso — , tudo isto tem de desaparecer. A pessoa virtuosa que está consciente de procurar a virtude nunca poderá encontrar a realidade. Pode ser uma pessoa muito decente; mas isso é inteiramente diferente do homem de verdade, do homem que compreende. Para o homem de verdade, a verdade ganhou existência. Um homem virtuoso é um homem correto, e um homem correto nunca pode compreender o que é a verdade; porque para ele a virtude é a cobertura do «eu», o reforço do «eu»; porque ele procura a virtude. Quando ele diz: «Não devo ser ganancioso», o estado no qual ele não é ganancioso, e que ele experimenta, fortalece o «eu». É por isso que é tão importante ser-se pobre, não apenas no que se refere às coisas mundanas, mas também no que diz respeito à crença e ao conhecimento. Um homem abastado em riquezas mundanas, ou um homem rico em conhecimento e crença, nunca conhecerão outra coisa que não a escuridão, e serão o centro de toda a maldade e miséria. Mas se vocês e eu, enquanto indivíduos, conseguirmos ver toda esta actividade do «eu», então saberemos o que é o amor. Posso assegurar-vos de que essa é a única reforma que poderá mudar o mundo. O amor não é o «eu». O «eu» não pode reconhecer o amor. Vocês dizem «amo», mas então, no próprio ato de o dizerem, no próprio ato de o experimentarem, não há amor. Mas, quando vocês conhecem o amor, não há «eu». Quando há amor, não há «eu».

© 2016 Copyright by Krishnamurti Foundations


                         Diaspora      rss 

Exceto quando houver diferente indicação, o conteúdo deste site está licenciado sob a 'Creative Commons Attribution 4.0 International License'
Web Statistics